Casa São Cristóvão, 1912-2012: um século de serviços sociais em Toronto

A Casa São Cristóvão abriu portas no dia 15 de Junho de 1912, tornando-se numa das primeiras casas de acolhimento no Canadá. O seu primeiro edifício foi a 'Casa Ryerson', no 67 Bellevue Place (mais tarde Wales Ave.), no coração de Kensington Market, um dos bairros mais multi-étnicos e proletários de Toronto.

As origens da Casa São Cristóvão remontam ao movimento reformista dentro da Igreja Presbiteriana do Canadá dos finais do século XIX e início do século XX, e inspirada no movimento de casas de acolhimento no Grã-Bretanha e Estados Unidos. No seguimento de mudanças na teologia Protestante, que passou a considar o ambiente social em vez da natureza individual como motivadores do pecado, estes reformistas sociais começaram a atuar sobre as condições de vida nos bairros pobres da cidade, que estes consideravam como antros de vício e imoralidade. Os líderes desse movimento viam o Canadá como um país onde o melhor do Velho e do Novo Mundo podiam continuar, e onde os ideais britânicos de ‘fair play’ e respeito pela autoridade legítima, e as caraterísticas americanas de democracia, empresariado, iniciativa e capacidade de assimilação de estrangeiros poderiam coexistir. O movimento era também motivado pela suposição de superioridade moral e cultural Anglo-Saxónica Protestante. Estes reformistas dedicaram-se então a disciplinar a classe operária e as famílias imigrantes de acordo com o modelo da classe média branca e Protestante. Este trabalho de reforma social era considerado como uma nova forma de evangelismo.

Em 1911, o Conselho de Reforma Moral e Social da Igreja Presbiteriana produziu um relatório que concluía que a ‘onda’ de imigrantes operários europeus, que vinham à procura de trabalho assalariado nas cidades canadianas, levaria à anarquia, vício e crime, se os problemas da cidade não fossem resolvidos. Tendo conhecimento das casas de acolhimento na Grã-Bretanha e Estados Unidos, o Conselho aprovou um plano para o estabelecimento de ‘settlement houses’ em Montreal, Toronto e Vancouver. Igrejas locais assumiriam a responsabilidade pelos edíficos e equipamento enquanto que o Conselho nacional providenciaria o sálario para os empregados. A Casa São Cristóvão seria a “Casa Mãe”, a base onde os assistentes sociais receberiam o seu treino. Para liderar esta iniciativa, John G. Shearer, o Presidente do Conselho Presbiteriano, convidou James S. Woods, um empresário e filantropista, dono de uma empresa de drogarias, para financiar a Casa.

← Previous Page Next Page →